Buscar

Fusão de agências fortalece regulação e aumenta competitividade, defende ministro


O ministro da infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, disse nesta sexta-feira (22) que uma eventual fusão da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) e da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) é uma oportunidade para fortalecer a regulação. Ele afirmou que a principal orientação do governo é retirar o Estado de cima do setor produtor. Segundo o ministro, a ideia é extinguir resoluções consideradas desnecessárias e tornar o mercado cada vez mais livre, o que resultará em mais competitividade. 


"Não vejo dificuldades, vejo oportunidade de renascimento. Temos chance de também revisitar o arcabouço regulatório e torná-lo mais simples. Nossa ideia é extinguir resoluções que são desnecessárias, tornar o mercado cada vez mais livre e isso vai trazer mais competição”, afirmou o ministro, que participou de encontro com empresários do setor de navegação, na sede do Syndarma, no Rio de Janeiro.


O governo estuda incorporar na nova lei das agências aspectos que considera positivos, como independência financeira, critério técnico para nomeação de dirigentes e igualdade de importância para modais, para que não haja supremacia, por exemplo, do modal rodoviário em relação ao modal aquaviário. Ele defendeu a manutenção de estruturas e a preservação de relatorias específicas por tema e sorteio de relator. O ministro de infraestrutura confirmou que, no caso da criação de uma nova agência unindo modais aquaviário e terrestre, os mandatos dos atuais diretores acabariam e novos processos de seleção ocorreriam, mantendo os ritos de sabatina no Congresso, porém mais criteriosos tecnicamente.

Freitas citou experiências de fusões bem sucedidas com agências em Santa Catarina, Espírito Santo, e em países como Canadá e Itália.  “As deficiências detectadas hoje nessas agências são notórias. Há oportunidade grande de melhorias e aproveitar essa oportunidade é interessante. É uma ousadia, mas que pode gerar muito resultado”, defendeu.


Freitas ressaltou que esse processo será feito com cautela e que o projeto de lei não será enviado ao Congresso antes de um debate prévio em que iniciativa privada, servidores e a sociedade estejam confortáveis. Ele acredita que precisará haver uma sensibilização grande do parlamento para que o projeto possa ser aprovado. "Se não tivermos essa confiança, vamos manter as agências, vamos mexer na regulação e, à medida que mandatos forem acabando, vamos fazendo a substituição dos diretores. Vamos ser mais rigorosos na seleção de dirigentes a partir de agora”, enfatizou.


O ministro de infraestrutura acredita que a chance de o projeto ganhar corpo e passar no Congresso é alta e que parlamentares devem se sensibilizar ao apelo que virá da iniciativa privada. “Se a iniciativa privada e servidores estiverem confortáveis com o arranjo, que faz muito sentido, não é difícil defender o que está sendo proposto. Isso hoje já começa a ser visto com bons olhos, até mesmo entre os servidores e dentro do tribunal de contas”, comentou.


Freitas lembrou que o projeto original da criação das agências, de 1999 que resultou na Lei 10.233/2001 previa uma agência única. “Houve essa cisão durante tramitação no Congresso e a repercussão disso temos hoje. Temos duas agências fracas, que têm tido dificuldade para desempenhar a regulação da melhor maneira possível. Se perdeu no meio do caminho a visão multimodal, se criou muita burocracia e muita regulação desnecessária”, concluiu. 


Fonte: Portos e Navios

3 visualizações
Setor de Autarquias Sul (SAUS), Quadra 1, Bloco J, Entrada 10, Edíficio Clésio Andrade, sala 508, Cep:  70070-944

Contato: (61)3224-1008
faleconosco@fenavega.com
Siga nossas redes sociais:
  • Facebook Social Icon

© 2020  - Federação Nacional das Empresas de Navegação Aquaviária