Buscar

Porto Público de Porto Velho inicia campanha de combate ao Aedes Aegypti


Funcionários do Porto Público de Porto Velho promovem mutirão de limpeza

Vetor da transmissão de doenças como Dengue, Chikungunya e Zika, o mosquito Aedes Aegypti está no centro das atenções da campanha de combate promovida pela Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa) em 2019. Neste intuito, a diretoria executiva e os funcionários do Porto Público de Porto Velho deram início ao Plano de Contingência das Doenças Transmitidas pelo mosquito no poligonal portuário nesta sexta-feira, 18.


O mutirão de varredura dos pátios do Porto de Porto Velho, bem como nas casas do entorno localizadas no bairro Panair, também será acompanhada da entrega de panfletos com orientações sobre a melhor forma de acondicionar lixo doméstico, bem como a conservação das áreas adjacentes livres de criadouros. “Redobramos nossa atenção para permanecer com as áreas limpas e livres de possíveis focos de procriação do mosquito, responsável pela transmissão de tantas moléstias. É nossa preocupação com a saúde e bem-estar tanto dos funcionários quanto visitantes, moradores e daqueles que circulam pela região. O lixo deve ser desprezado da forma correta a fim de evitar transtornos à comunidade em geral”, relatou Leudo Buriti, diretor presidente do Porto Público.


A destinação correta de resíduos de lixo evita o acúmulo de água das chuvas em diferentes recipientes como tampas de garrafas, calhas entupidas ou pneus. De acordo com a bióloga da SOPH, Cristiane Alaíde, o mosquito tem preferência nítida por água limpa e parada. “Qualquer ponto que acumular uma quantidade mínima de água serve como local de procriação. Limpar o próprio quintal e as áreas da redondeza é uma questão de saúde pública. Este ano, recebemos uma certa quantidade de veneno Piriproxyfem para aplicar em caixas d’água que se por ventura estiverem sem tampa, evitarão também que o mosquito deposito os ovos ali”, afirmou a bióloga.


Confira alguns cuidados simples que evitam a transmissão:

Mantenha a casa limpa e sem água parada para evitar os possíveis criadouros: nada de manter pratinhos de plantas com água, garrafas pet ou qualquer objeto que facilite o acúmulo de água;

Dê um cuidado especial ao armazenamento e destinação do lixo. Jamais descarte qualquer outro material que possa acumular água no quintal de casa, no quintal de vizinhos, na rua ou em lotes vagos. Latas, caixas de leite e similares, é recomendável retirar o fundo para descartar;

Mantenha as calhas livres de entupimentos para evitar represamento de água nas mesmas;

Mantenha limpos e escovados os bebedouros de animais domésticos; a água deve ser trocada diariamente;


Mantenha piscinas devidamente tratadas;

Cuidados extras para reservatórios de água: caixas de água devem estar bem tampadas e vedadas. Se optar em armazenar água das chuvas, é importante que tampe bem os recipientes.

A água sanitária também poder ser utilizada para eliminar as larvas do mosquito Aedes Aegypti. Mas é importante lembrar que ela NÃO PODE ser utilizada em recipientes usados para armazenamento de água para consumo humano e de animais. O tratamento deve ser repetido semanalmente, de preferência em dia fixo, de modo a garantir que a solução continue efetiva.


Fonte: Folha Nobre

8 visualizações
Setor de Autarquias Sul (SAUS), Quadra 1, Bloco J, Entrada 10, Edíficio Clésio Andrade, sala 508, Cep:  70070-944

Contato: (61)3224-1008
faleconosco@fenavega.com
Siga nossas redes sociais:
  • Facebook Social Icon

© 2020  - Federação Nacional das Empresas de Navegação Aquaviária