Buscar

Terminal Hidroviário ordena a orla fluvial de Santarém, no oeste do Pará

A partir do funcionamento do porto, a orla ficará livre de pequenos e irregulares pontos de embarques e desembarques


Promover o ordenamento fluvial e oferecer mais conforto e segurança para os usuários, no Baixo Amazonas. Esses são alguns dos marcos do Terminal Hidroviário de Passageiros e Cargas de Santarém, que deve ser entregue em breve pelo Governo do Pará, por meio da Companhia de Portos e Hidrovias do Pará (CPH).


Considerado o maior e mais moderno terminal hidroviário público de passageiros do Brasil, a entrega do equipamento vai imprimir uma nova era para 310 mil habitantes da região, que tem o rio como principal meio de transporte.


"Com a entrega do terminal hidroviário, a prefeitura de Santarém, por meio da Coordenadoria de Portos, que fará a gestão do local, poderá fazer o ordenamento fluvial da orla da cidade. A partir do funcionamento do porto, a orla ficará livre de pequenos pontos de embarques e desembarques, pois todas as embarcações vão se destinar para o cais do novo terminal. Com isso, a frente de Santarém ficará mais bonita. Hoje, percebemos que, em Santarém, há várias estruturas que não oferecerem segurança no embarque e desembarque para os usuários", observa Abraão Benassuly, presidente da CPH.


Ainda de acordo com o presidente da Companhia, a ausência de um terminal hidroviário público de passageiros em Santarém, principal cidade do oeste paraense, provoca o surgimento de portos não regularizados e sem estrutura na região.


"Com a baixa do rio Tapajós, muito passageiros eram obrigados a embarcar e desembarcar na lama e areia para entrar nas embarcações em Santarém, então o terminal hidroviário vem para oferecer mais dignidade para os usuários da região. Não ter um banheiro ou uma cadeira para sentar e aguardar uma embarcação é algo muito ruim para quem aguarda para embarcar, então esses problemas serão resolvidos em breve", frisa Benassuly.


A entrega do terminal hidroviário é aguardada com ansiedade pelos moradores de Santarém, que sentem a falta de uma estrutura digna para o embarque e desembarque na região. "Com o funcionamento do novo terminal, a cidade passará a contar com um dos maiores terminais hidroviários do Brasil e isso vai trazer muitos benefícios para a cidade, pois aumentará muito a capacidade de passageiros da região. Nossa cidade já necessitava desse terminal e todos estão muito felizes com essa grande estrutura na região. A população de Santarém só tem a agradecer o governador pela obra", disse o marítimo Helder Pimentel Chagas, morador de Santarém.


Estrutura - O Terminal Hidroviário de Santarém recebe o nome de Joaquim da Costa Pereira, empresário do município, falecido em 6 de janeiro de 2010, e que contribuiu para o desenvolvimento da região. O terminal terá guichês para venda de passagens, guarda-volumes, carrinhos para bagagens, cadeiras de rodas, e tem mais de 22 mil metros quadrados de área construída. A sala de embarque conta com 1.205 cadeiras longarinas, rede wi-fi gratuita e duas escadas rolantes.


Climatizada, a estrutura terá vestiários e banheiros masculino, feminino e para pessoas com deficiência. A área inclui ainda farmácia, três lanchonetes, restaurante e espaços para instalação de lojas e quiosques. Também haverá salas para órgãos de Segurança e Justiça, como Polícia Militar, Conselho Tutelar e Agência de Regulação e Controle dos Serviços Públicos do Pará (Arcon).


Para auxiliar no embarque e desembarque de passageiros, o espaço terá rampa metálica biarticulada, passarela coberta em concreto e flutuante com oito fingers, para atraque das embarcações. Na área externa, o estacionamento com 5.800 metros quadrados inclui vagas para carros, motocicletas e bicicletas, além de pontos para táxis e ônibus.


Já o terminal de cargas terá um galpão com mais de seis mil metros quadrados para abrigar cargas e utensílios dos passageiros. Toda a estrutura foi pensada para receber grandes embarcações na região, como por exemplo, cruzeiros, que devem fomentar a atividade turística no oeste do Estado, gerando emprego e renda. Além disso, o porto estará pronto para oferecer viagens diárias para os Estados do Amapá e Amazonas, por exemplo.


A exemplo dos investimentos no modal rodoviário, o Governo do Pará também investe no modal hidroviário e já entregou os terminais hidroviários de Terra Santa, Faro, Curuá, Prainha, Almeirim, Santana do Tapará (distrito de Santarém), Óbidos e Monte Alegre, todos na região oeste, concluindo assim o projeto de integração fluvial.


Fonte: Agência Pará

4 visualizações