Buscar

Vacinação de portuários começa em Santos: “Hoje é o dia da esperança”, diz Tarcísio de Freitas

Vinte e seis trabalhadores foram os primeiros vacinados; grupos receberão doses extras de vacinas da AstraZeneca/Oxford




Os ministros da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, e da Saúde, Marcelo Queiroga, iniciaram nesta quinta-feira (27), a etapa de imunização dos trabalhadores portuários contra a covid-19. Nesta primeira fase, 26 portuários, representantes dos trabalhadores avulsos, da Autoridade Portuária e de terminais portuários, todos de 59 anos, foram os primeiros a receber vacinas da AstraZeneca/Oxford, produzidas no Brasil pela Fiocruz.


“Hoje é o dia da esperança. Esperança que dias melhores virão e que o nosso Brasil continuará crescendo”, afirmou o ministro da Infraestrutura, após a imunização dos trabalhadores. No início da semana, o Ministério da Saúde anunciou a antecipação no Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19 (PNO) para trabalhadores portuários e de pessoas ligadas ao transporte aéreo. A primeira etapa vai atender 100% de portuários e 78% de trabalhadores da aviação civil, abrangendo mais de 200 mil pessoas.


Na visão do ministro, atender a esses dois setores é uma forma de homenagem ao trabalho realizado durante toda a pandemia, que continuaram na linha de frente. “Portos e aeroportos são como nós, pontos de origem e destino, e esses trabalhadores estão sempre em contato com pessoas do mundo inteiro. Era necessária criar essa barreira sanitária para que pudessem trabalhar com segurança”, disse.


DOSES – As vacinas começaram a ser distribuídas aos estados na madrugada da última quarta-feira (26) e serão aplicadas de acordo com a logística definida por cada estado e município. Cabe ao Governo Federal adquirir as vacinas, definir quem faz parte de cada grupo prioritário e enviar os imunizantes às unidades da Federação. Estados e municípios, então, promovem a vacinação.

De acordo com o Ministério da Saúde, os dois grupos receberão doses extras de vacinas da AstraZeneca/Oxford, produzidas pela Fiocruz, que não alteram o plano de imunização do restante da população. Os imunizantes vão contar com um carimbo especificando a destinação a portuários e trabalhadores do setor de aviação civil.


O grupo de portuários abrange neste momento funcionários das autoridades portuárias, funcionários de operadores (arrendatário ou autorizatário) e trabalhadores avulsos. Já no setor de aviação receberão a vacina funcionários de aeroportos, de companhias aéreas e de empresas prestadoras de serviços.


Fonte: Ministério da Infraestrutura



1 visualização