Buscar

Valorização do dólar traz alivia para exportadores


Enquanto a maior parte dos brasileiros vê com preocupação a forte valorização do dólar, um pequeno grupo respira aliviado: os exportadores, de frango e grãos a calçados. O avanço da moeda americana frente ao real ajuda a engordar o caixa dessas empresas e a reduzir, ao menos em parte, o impacto do aumento de alguns custos de produção, como o frete, e a perda de mercados compradores no exterior.

No ano, o dólar acumula valorização de 25%. Analistas esperam que a cotação da moeda, que nesta terça-feira atingiu R$ 4,141, recue após as eleições e feche 2018 em R$ 3,70. Se esse cenário se confirmar, a rentabilidade dos exportadores vai subir 12% este ano, segundo cálculos de André Mitidieri, economista da Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior (Funcex).

Para os exportadores de frango - que perderam mercado externo este ano depois de a União Europeia suspender a compra de produtos brasileiros devido aos problemas sanitários apontados pela Operação Carne Fraca -, a alta do dólar pode ajudar a conseguir resultados “empatados” com as vendas ao exterior no ano passado.

📷📷

O setor abriu novas frentes de venda, como a Coreia do Sul, que voltou a comprar o frango brasileiro. Mas as exportações, em volume, devem encolher até 3% em relação a 2017. No início do ano, esperava-se crescimento de 2% a 4%.

- Se o dólar continuar no atual patamar e as exportações ficarem acima das 400 mil toneladas ao mês, empatamos em zero a zero - diz Ricardo Santin, vice-presidente e diretor de mercado da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), lembrando que já houve aumento de custos por causa da alta do preço dos grãos e do valor mínimo do frete.

No caso dos grãos, os produtores de soja ainda não fizeram os cálculos do impacto de um dólar mais valorizado nas exportações. Mas o câmbio mais favorável e um “prêmio” pela soja brasileira em decorrência da disputa comercial entre China e Estados Unidos, beneficiam o produto brasileiro, reconheceu Sergio Castanho Teixeira Mendes, diretor-geral da Associação Nacional de Exportadores de Cereais (Anec).

VOLATILIDADE PREOCUPA

Ainda assim, o aumento do frete deixará um passivo, diz Mendes. A Anec estima custo adicional de US$ 2,4 bilhões sobre os 118 milhões de toneladas (soja, farelo de soja e milho) a serem exportadas.

- Neste momento, nossa principal questão é a alta do frete, que traz falta de previsibilidade ao setor. As exportações de milho podem cair por causa desse aumento de custo, e o Brasil pode deixar de ser o segundo maior exportador do produto - diz Mendes.

Mas o setor de calçados, apesar de também ganhar com as exportações, está menos eufórico com a alta do dólar. De acordo com Heitor Klein, presidente da Abicalçados, entidade que representa o setor, a volatilidade da moeda atrapalha a formação de preços:

- As empresas não sabem como estará o dólar em 15 dias. Há muita incerteza, e a expectativa é que o dólar recue para entre R$ 3,70 e R$3,60 até o fim do ano. Não dá para contar com esse ganho do dólar a R$ 4.

COMPONENTE DE INCERTEZA

O empresário Marlin Kohlrausch, dono da Bibi Calçados, que tem 104 lojas no Brasil, duas no exterior e exporta para 70 países, lembra que, assim como o real se desvalorizou frente ao dólar, outras moedas de países emergentes também perderam valor, o que faz com que o produto brasileiro fique mais caro nesses mercados.

- Esses países vão comprar menos - pondera.

O economista Sílvio Campos Neto, da Tendências Consultoria, também vê problemas na valorização do dólar:

- Essa oscilação da moeda é muito ruim, porque representa um componente a mais de incerteza.

Fonte: O Globo

0 visualização
Setor de Autarquias Sul (SAUS), Quadra 1, Bloco J, Entrada 10, Edíficio Clésio Andrade, sala 508, Cep:  70070-944

Contato: (61)3224-1008
faleconosco@fenavega.com
Siga nossas redes sociais:
  • Facebook Social Icon

© 2020  - Federação Nacional das Empresas de Navegação Aquaviária